terça-feira, 5 de julho de 2011

Pneumonia de Hipersensibilidade PH


Pneumonia de hipersensibilidade (alveolite alérgica extrínseca)

 
Tomografia computadorizada de alta resolução (TCAR)

Opacidade em vidro fosco difusamente distribuída.
Pequenos nódulos centrolobulares em vidro fosco esparsos.
Pequenos nódulos centrolobulares difusamente distribuídos.
Pequenos nódulos peribronquiolares, alguns com aspecto de "árvore em brotamento".

A pneumonia de hipersensibilidade (PH), também denominada alveolite alérgica extrínseca, é uma enfermidade pulmonar, imunologicamente mediada, causada pela inalação de antígenos. Esses antígenos estão presentes em poeiras orgânicas, tanto de origem vegetal quanto animal, mas, têm sido descritos casos de PH pela inalação de algumas substâncias químicas.

Embora, na maioria das vezes, seja causada pela inalação de actinomicetos termofílicos (inicialmente descrito como "pulmão do fazendeiro") e de proteínas oriundas das secreções de pássaros ("pulmão dos criadores de pássaros"), há, atualmente, grande quantidade de antígenos orgânicos que podem causar PH.

Fase aguda: A fase aguda é caracterizada pelo desenvolvimento de sintomas respiratórios poucas horas após intensa exposição ao antígeno. A radiografia de tórax pode ser normal ou apresentar consolidações bilaterais.

Fase subaguda: Em muitos pacientes, o curso é mais lento (semanas ou meses), geralmente com dispnéia progressiva.

A TCAR tem-se revelado muito útil na avaliação de pacientes nesta fase. O aspecto mais característico consiste na presença de pequenos nódulos (menores que 5mm) centrolobulares, maldefinidos, em vidro fosco.

Outros aspectos que podem estar presentes na TCAR:
1) áreas difusas de opacidade em vidro fosco,
2) perfusão em mosaico,
3) aprisionamento aéreo na expiração e
4) opacidade difusa em vidro fosco associada a nódulos centrolobulares.

É importante lembrar que uma TCAR normal não exclui a possibilidade de PH.

Fase crônica: Esta fase caracteriza-se pela presença de sinais de fibrose, em geral, reticulado, distorção arquitetural e, ocasionalmente, faveolamento.

No presente caso, como o aspecto na TCAR não foi considerado suficientemente diagnóstico, foi realizada biópsia a céu aberto, sendo o diagnóstico compatível com PH na fase subaguda.