sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Fratura de Côndilo Mandibular

Fraturas Condilares:
Classificação:
- Intracapsular) ou extracapsular ;
- Unilateral e bilateral.
Fraturas intracapsulares(fratura alta) são raras. Fraturas extracapsulares, baixas ou de colo podem ser com deslocamento ou sem deslocamento do côndilo da fossa articular.
O segmento proximal pode sofre deslocamento medial, ântero-medial, anterior, posterior, lateral e superior. O caso mais comum é o de deslocamento medial por conta da ação do músculo pterigoideo lateral (cabeça inferior), que se insere no côndilo.
Geralmente ocorre edema na região da ATM. Pode ocorre otorragia decorrente do rompimento da parede anterior do meato auditivo externo. Se houver penetração do côndilo para o interior da fossa craniana média (raro e grave) também poderá ocorrer hemorragia pelo o ouvido. Nesses casos, pode ocorrer também extravasamento de líquor e possivelmente ocasionar meningite. Nos casos de fratura de côndilo o ouvido deve ser examinado atenciosamente.



Presença de má-oclusão, com desvio da arcada dentária para o lado afetado, principalmente durante a abertura bucal. O movimento de lateralidade para o lado fraturado pode ser realizado com pouca dor, porém para o lado oposto é muito doloroso e limitado. A protrusão mandibular é quase impossível e bastante dolorosa.
Nas fraturas de côndilo com deslocamento anterior e medial, o paciente pode ser incapaz de fechar a boca. Quadro semelhante ao de luxação condilar.  Este travamento é ocasionado por impacção do côndilo em uma posição ântero-medial no interior da fossa articular impedindo o movimento de fechamento da boca.

Fraturas condilares bilaterais:
No exame extrabucal podem ser encontrados os mesmos sinais e sintomas, porém bilateralmente.
No exame intrabucal pode-se observar:
- Não ocorre alteração importante da oclusão;
- Mordida aberta anterior.
Em ambos os casos, existe limitação de movimento e dor. Nas mordidas abertas anteriores, o paciente só consegue fazer contato dentário na região dos molares, por conta do encurtamento gerado nos ramos mandibulares. Quando existir fratura de côndilo deve-se pesquisar fraturas na região anterior da mandíbula.