quinta-feira, 14 de março de 2013

Escoliose


Ângulo de Cobb Usado para quantificar a escoliose no plano frontal (radiografia anteroposterior da coluna vertebral). Este ângulo ajuda a medir o grau da escoliose no plano frontal, assim como avaliar a progressão da escoliose ao longo do tempo, sendo um dos parâmetros usados para definir o tratamento da escoliose. Devemos medir o ângulo de Cobb sempre em relação à convexidade da escoliose.
Um ângulo de Cobb avaliado em até 10° não é considerado patológico. Entre 10° a 20° de mensuração classificamos como escoliose leve. Entre 20° e 40° classificamos como escoliose moderada. Valores do ângulo de Cobb acima de 40°- 50° são considerados como escoliose severa. Veja abaixo como medir o ângulo de Cobb no plano frontal. Mensuração do ângulo de Cobb Após definirmos a convexidade da escoliose, devemos agora definir quais são as vértebras que definem o limite superior (LS) e o limite inferior (LI) da convexidade, sendo estas vértebras as que mais estão inclinadas em relação ao plano horizontal. Em seguida, traçamos uma linha tangente ao platô superior da vértebra LS (linha A) e outra linha tangente ao platô inferior da vértebra LI (linha B). O ângulo formado pela intersecção das linhas A e B é o ângulo de Cobb (ângulo a). Em ângulos com valores modestos, não conseguiremos obter a interseccção das linhas A e B na radiografia; traça-se então linhas perpendiculares às linhas A e B, e a intersecção destas linhas também representam o ângulo de Cobb (ângulo b = ângulo a).